terça-feira, 4 de maio de 2010

_domingo em soneto



Eu amo o amor que é velado
Adoro o riso bobo que ele traz,
As palavras inocentes do namorado
E os suspiros da menina qu'ama o rapaz.

Eu rio de tudo quando apaixonado
O mundo é outro, parece, visto assim,
Como prisma, caleidoscópio virado
Mas sou tolo, por pensar que não terá fim.
Meu fim chega, nunca sozinho, porém
Vem com o riso de outra e, sendo em mim
Vejo sempre mais um barco ir além...

...o mesmo barco sou eu e sou, enfim
O horizonte que se arrasta, fugindo e vem
Traz consigo o rastro que sigo, sou eu e meu sim.

Um comentário:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir